Pular para o conteúdo principal

Paribar

Depois de comer dois doces da tia do doce (uma torta de limão e um merengue de morango, sempre ótimos), fomos almoçar no Paribar porque eu tinha um cupom feliz. A região ainda me dá um medinho, o caminho não é muito bonito mas o lugar em si era estilosinho e nada de ruim aconteceu, tirando o couvert artístico hehe (a música não era das piores, mas eu preferia ter a opção de não ouvir nada e não ter que pagar R$10, ack!).

Foto cortesia tirada em um iPhone

Ainda estávamos no horário do brunch e começamos pedindo dois pratos de ovos para experimentar: um frito sobre um pão italiano com aspargos e queijo (bacanudo, não achei que os aspargos fossem combinar tanto!) e o meu, mexidos com queijo mascarpone e pão fofinho com manteiga de ervas, que estava sensacional! Claro que poderia ter mais mascarpone e sei que não tem para não levar o preço às alturas, haha. Nunca pensei que fosse gostar tanto de ovos mexidos com pão, tudo ali combinava e era bom. Não tinha muita variedade de textura *momento top chef* mas eu nem ligo!

Ow coisinha linda!

Meu amigo foi direto no prato principal, achando pelo valor (R$42) que seria um prato minimamente decente. Infelizmente o filé com salada foi um dos pratos mais pobres que já vi nesses anos de gordinhagem. O prato era uma carninha safada com 1 folha de cada tipo (ok, talvez 2 de alface americana) e 1 fatia de tomate. Era tão miserento que dava raiva de pensar que tiveram coragem de servir só aquilo e ainda cobrar o que cobraram! Se fosse comigo teria subido na mesa e armado o barraco, hehehe!


Para completar o tanque, dividi um filé com shitake, que na verdade era filé ao molho madeira com batatinhas legais com shitakes por cima. Reparem que a meia porção tem o tamanho da porção inteira da foto anterior! Estava bem gostoso e o ponto da casa é do jeito que eu gosto (levemente rosado).


Antes de ir, tinha lido alguns reviews sobre o atendimento ruim e graçasadeus não tive problemas com isso. O que não curti mesmo foram o prato miserável; a obrigatoriedade de pagar o couvert artístico e o cardápio que, para alguns pratos, não havia descrição alguma. Os preços são meio salgadinhos e o entorno nada bonito. Sem cupom, não vale o deslocamento.


Ficha feliz:
  • Satisfação da gordinha: saiu feliz mas não volta com valor integral
  • Preju: se não fosse o cupom, tudo teria saído por R$210
  • Unidade visitada:
    • Praça Dom José Gaspar, 42 - República
    • (11) 3237-0771
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda à sábado, das 11:30 à 0:00
    • Domingo, das 10:00 às 17:00
  • Lotação: 96 lugares
  • Visa vale? Sim!
  • Site: http://www.paribar.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Receita: Chá de Pobá

Era para ser divertido e gostoso... mas não foi bem assim. Estragamos muita coisa, arriscamos muito e no fim... eu nem gosto de pobá no chá porque aquelas bolinhas me dão nervoso, haha. Ainda acho mais fácil comprar pronto na Liberdade mesmo! 

Nível de dificuldade: médio, se a gente soubesse das instruções antes Porção: com o que sobrou do que deu certo, 4 copos grandes 
Ingredientes: 1 xícara (chá) de bolinhas de tapioca 2 xícaras (chá) de água 1/4 de xícara (chá de mel)1 xícara (chá) de açúcar mascavoLeite, creme de leite ou leite condensado à gostoChá preto forteAçúcar, mel ou frutose para adoçar
Modo de preparo simples: Cozinhe as bolinhas de pobá e reserve. Enquanto isso aqueça a água e acrescente o mel e o açúcar mascavo. Deixe a mistura esfriar e jogue as bolinhas. Monte em um copo as bolinhas coadas, o chá, o leite, o gelo e adoce à gosto. 
Modo de preparo com dificuldades da vida:  A únicas bolinhas que encontramos para vender na Liberdade eram branquinhas (na Casas Bueno, não est…

Outback

Siiim! Finalmente um post sobre o lendário Outback, diretamente da minha unidade favorita! Wow, comecei o ano escrevendo muita coisa que estava devendo para minha consciência gordinha, que alegria!
Sei que o lugar dispensa apresentações: bacanudo, atendimento eficiente, comida boa e engordativa, filas insanas e a conta um pouco salgada. Mas acho que vale muito a pena reforçar tudo isso, além de expor algumas técnicas de sobrevivência que nunca caem de moda, aiquifodis.

A primeira delas é tentar chegar lá o mais cedo possível e com metade das pessoas que se sentarão com você presentes. Se algum destes itens faltar, é sentar e esperar, e muito. Em minha última visita, fui com a minha irmã e sobrinha um pouco depois que a casa abriu para o jantar em uma terça-feira, às 17:45. Às 18:30 resolvemos olhar um pouco a nossa volta e todas as mesas estavam ocupadas, é coisa de louco.


Começamos os trabalhos pedindo os clássicos Iced tea, servidos em caneconas estilosas (cujo modelo mudou desde o…

Doces Dulce

Mais uma dica de bairro feliz na área. Este vale a pena porque, pelo menos aqui em casa, a gente tinha um problemão para encontrar docinhos de festa de qualidade e em quantidades menores que 100. Geralmente os lugares ou pessoas só fazem muitos para festas e buffets e às vezes, justamente por causa da quantidade, não são tão gostosos. Para piorar, minha família não é muito grande e a gente também tem vontade de comer essas coisinhas sem ter um motivo de comemoração específico.


Em uma ruazinha meio escondida, apagada por causa de um supermercado que fica em frente, encontra-se um mini paraíso do doces felizes, o Doces Dulce. Olhando para a fachada ninguém dá nada, mas logo na entrada você é recepcionado por várias bandejas de doces gritando "Eu! Me leva! Uhul!".


O preço delas varia pouco (de 9 a 10 mangos de puro deleite) e tem brigadeiro, beijinho, cajuzinho, camafeu, quindim, olho de sogra, queijadinha, trufas, bombons e outros que eu nem sei o nome. Algumas são mistas e, c…